Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Bela e a Crise

por Luísa Braga

A Bela e a Crise

por Luísa Braga

Ainda Sobre o Caso Síria: O Outro Lado da Moeda

refugiados.jpg

 

 

Hoje aconteceu-me algo muito curioso: todos os dias de manhã tenho o hábito de ver os meus emails e normalmente tenho um ou dois, nada mais. Hoje, tinha oito e seis deles eram de comentários um tanto ou quanto revoltados acerca do meu último post (ver: A Crise da Humanidade).

 

Antes de mais, peço desculpa se de alguma forma ofendi alguém, essa não é nem nunca foi a minha intenção.

 

O post que escrevi foi um desabafo - fui eu a falar muito com o coração e pouco com razão, mas o mesmo não significa que o que escrevi deixa de ser verdade. Porém, e infelizmente, não é toda a verdade.

 

Durante o dia de ontem, tive oportunidade de trocar algumas palavras com uma ex-colega de escola, que está atualmente a viver e a trabalhar na Alemanha. A realidade não é a que vemos na televisão. Ela contacta diariamente com refugiados sírios que se recusam a aceitar uma cultura e costumes que não são os deles e o seu fanatismo pela religião é muitas vezes razão para problemas com outros cidadãos.

 

Mas serão os sírios todos iguais? Eu quero acreditar que no meio de tanto fanatismo hajam pessoas que não são tão fanáticas assim. Aliás, há crianças que podem ser educadas de outra forma. Agora, o que não podemos fazer é julgar uns pelos outros - é quase como dizer que os portugueses são preguiçosos e não gostam de trabalhar. Somos todos assim?

 

Isto é aquilo em que eu acredito, embora saiba que muita gente me vai atirar aos lobos novamente. Mas, para essas pessoas que andam cheias de moralismos a dizer 'ajudem mas é os pobres portugueses!', eu digo: EU AJUDO! E vocês?

 

O problema dos 'pobres portugueses' é que muitos deles recebem o rendimento mínimo e passam o dia no café, enquanto eu e milhares de portugueses trabalhamos para os andar a manter. Eu sei bem que há muita miséria no nosso país, e faço tudo o que posso para contribuir seja de que maneira for para ajudar essas pessoas. Mas muitos dos chamados 'pobres' não querem é trabalhar.

 

Bem, espero sinceramente ter conseguido, desta forma, responder aos comentários que me fizeram no outro post. É que estar a responder um por um ia ser complicado (:

 

Volto a sublinhar que não é minha intenção ofender ninguém e espero em troca que não me ofendam a mim (: e, já agora, sempre que comentarem, identifiquem-se por favor. Porque ser anónimo e malcriado não vai com nada (;

 

 

Beijinhos, Lu*

 

 

 

 

A Crise da Humanidade

1341905077_0.jpg

 

 

Todos têm estado a par das notícias mais recentes acerca dos refugiados da Síria. Acredito que é algo que ninguém consegue ignorar e fingir que não se importa.

 

Parte-me o coração ver o desespero destas pessoas que fogem à morte. Queria ter os braços do tamanho do mundo, para poder abraçá-los e aconchegá-los, dizer-lhes que vai ficar tudo bem. Mas não tenho, nem posso dizer-lhes que vai ficar tudo bem, quando não sei o que se vai passar daqui para a frente, quando não posso prever o que vai fazer a Europa.

 

Sei que é um bocadinho infantil da minha parte perguntar porque raio os países estão a levantar tantas barreiras a este povo, quando sei que existem regras e leis a cumprir - mas, caramba! Há centenas de pessoas a morrer aqui! Será que "os donos disto tudo" não viram as imagens desta semana? Daquelas crianças a dar à costa? Eu vi. E dói. Dói muito querer fazer alguma coisa e não saber o quê.

 

Foi por isso que fiz uma pesquisa e dei com um aritgo do jornal Observador. Nós, como cidadãos, podemos fazer alguma coisa. O mínimo gesto pode fazer uma grande mudança.

 

CENTRO PORTUGUÊS PARA OS REFUGIADOS

 

Há dois centros de acolhimento, um na Bobadela (Loures) e outro em Lisboa (só para crianças). Estes centros estão sempre à procura de alimentos e bens.

 

Estes centros estão sempre à procura de voluntários, e, neste momento, precisam de professores de português que possam ensinar a nossa língua aos refugiados.

 

ALTO COMISSARIADO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA REFUGIADOS

 

Estão à procura de estagiários que possam ajudar nas questões administrativas e apoio legal aos refugiados.

 

UNICEF PORTUGAL

 

Estão neste momento a aceitar donativos. Está a trabalhar em áreas vitais como a saúde, nutrição, água e saneamento.

 

Podem ver o artigo completo aqui, assim como outras formas de ajudar: http://observador.pt/2015/09/03/guia-pratico-para-cada-um-fazer-a-diferenca-na-ajuda-aos-refugiados/

 

Por favor, não se deixem ficar indiferentes. Todos podemos ajudar!

 

 

Beijinho, Lu*

 

 

 

De Volta à Rotina

Regressei hoje ao trabalho. Nota-se o meu entusiasmo não nota?

 

É difícil voltar a um trabalho que não nos motiva, e mais difícil é procurar incansavelmente por outro e não obter qualquer resposta. Eu sei, é egoísta da minha parte estar com estas lamúrias quando há milhares de portugueses que nem trabalho têm, mas também, qual é o mal de procurar um futuro melhor?

 

De qualquer maneira, hoje venho cá tentar animar-me e animar-vos neste início de ano. Sim, para mim, é mais ínicio do ano em Setembro do que em Janeiro! (: Acho que é nesta altura que me dá mais vontade de começar novos projetos e ter novas ideias.

 

É por isso que decidi inscrever-me em aulas de Zumba (: Já há algum tempo que queria começar a praticar exercício e como na terrinha fazem aulas uma vez por semana e o preço é acessível (10€ por mês), decidi inscrever-me. É sempre bom preocupar-nos com o nosso corpo e tratarmos dele.

 

Zumba.jpg

 

 

Outro dos projetos em que decidi investir foi na Tupperware. Obviamente, não vou enriquecer com isto, mas, como ando à procura de ganhar um dinheiro extra para juntar no meu lindo mealheiro, decidi ser revendedora. A nível de lucro é bem melhor do que outras revistas de revenda e, além disso, para quem já juntou os trapinhos como eu, dá sempre jeito os brindes que oferecem de vez em quando, para além de poder comprá-los para mim a um preço mais acessível.

 

003001-brands_tupperware_rdax_668x242.jpg

  E, por fim, decidi atacar de unhas e dentes o meu futuro. Já imprimi uma dúzia de currículos e enviei outros tantos. O trabalho não vem ter conosco, somos nós que temos de procurá-lo e lutar por ele.

 

Se têm objetivos e planos, é esta a melhor altura para os porem em prática. Não desistam dos vossos sonhos, lutem sempre e acreditem que um dia serão recompensados!

 

Espero que o blog vos ajude a levantar a moral, se estão numa situação como a minha ou semelhante. Não deixem as amarguras da vida tomar conta da vossa alegria.

 

Vão à procura daquilo que vos faz feliz!

 

 

Beijinhos, Lu*