Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Bela e a Crise

por Luísa Braga

A Bela e a Crise

por Luísa Braga

Tu És Magra. Porque Vais Ao Ginásio?

13661850_10206494625076848_2609955050020008728_o.j

 

Já mais alguém ouviu isto? Pois. É o que eu oiço de cada vez que digo que ando no ginásio.

 

Eu sempre fui uma preguiçosa de primeira e sempre me dei ao luxo de comer tudo aquilo que queria, sem me preocupar se engordava, pois nunca passei dos 58Kg.

 

Inscrevi-me no ginásio por causa dos meus problemas de ansiedade. Os médicos aconselham sempre a fazer exercício físico para relaxar e descarregar o stress, e sendo que eu andava bastante em baixo e bastante atacada nos meus níveis de ansiedade, arrisquei e inscrevi-me no ginásio.

 

Já tinha tentado zumba, ginástica e pilates. Nada me motivava e o ginásio era a minha última esperança, já que só tinha de dar umas corridas na passadeira e levantar uns pesos - coisa fácil.

 

Comecei por ter uma avaliação inicial: pesaram-me, mediram-me, perguntaram-me quais eram os meus objetivos... o típico.

 

O choque foi quando me disseram que dos 54kg que pesava, poucos deles eram massa muscular. A sua grande parte era massa gorda, G-O-R-D-U-R-A. Fui apelidada de "falsa magra". E não, não é estético. É perigoso para a saúde.

 

Para mim, isto foi uma wake up call. Afinal, todos aqueles bolycaus, todas aquelas batatas fritas e todos aqueles sumos tinham efeito no meu corpo. Não entravam e saíam como eu achava. 

 

No primeiro treino que tive, achei que ia morrer. E a treinadora nem puxou por mim. Mas como a minha resistência era nula e a massa muscular praticamente não existia, para mim um simples treino de 30 minutos revelou-se uma tortura.

 

Foi então que eu decidi mudar de hábitos. Não mudei radicalmente, pois sabia que não ia resultar.

 

Foi aos poucos.

 

Troquei os sumos da manhã por iogurtes; troquei as bolachas de chocolate da tarde por fruta e cereais; troquei as bebidas gaseficadas por água; e passei a tentar ir ao ginásio, pelo menos, dois dias por semana.

 

Os resultados não são instantâneos, de longe. Mas hoje, 3 meses depois, sinto-me menos inchada; mais feliz; durmo melhor à noite; tenho mais energia; perdi bastante volume e tenho hábitos minimamente saudáveis.

 

É claro que ainda cometo pecados. E muitos! Mas procuro sempre compensar isso com o exercício físico, que se revelou um escape fantástico para o corpo e para a mente.

 

Por isso, não pensem que só os "gordos" é que têm de ir ao ginásio ou praticar exercício. As "magras" como eu, muitas vezes não são assim tão magras!

 

E lembrem-se: amem-se sempre primeiro. E não queiram mudar só por causa da aparência. O amor-próprio vai bem mais além do que um corpo estereotipado!

 

12717581_10205438015382266_59446829617246125_n.jpg